Bater na porta ao lado

Não é caso para dizer ano novo blog novo, mas há coisas novas a experimentar e vamos ali ao lado ver o que se pode fazer e aprender. Na verdade… deixei-me levar pela promessa de fotografias grandes…

Water shows the hidden heart

Sweet december skies

Saudades do mar que só contigo é vida.

– Das coisas melhores que me aconteceram na vida foi ter nascido numa aldeia da Beira Baixa, e aí ter passado toda a minha infância. Como sou filho, neto e bisneto de camponeses, em casa havia apenas um só livro, uma Vida de Santos que ninguém lia, pois as poucas letras que alguns homens da família haviam aprendido tinham-nas esquecido quase todas. Meteram-me na escola aos seis anos de idade, aprendia facilmente, mas nunca li o tal alfarrábio, pois o meu mundo também não era o das letras, mas o dos pássaros e do vento, o das águas e dos amieiros. Essa era a “poesia” que me chegava, mas havia outra, ela vinha na voz de minha mãe, e nos seus intermináveis romances, cuja lembrança me aquece ainda. (…)

Eugénio de Andrade

Mirando o cimo da serra

Saudades até do caminho para ti.